Objetivo


quinta-feira, 31 de maio de 2012

ARTE VISUAIS - YOKO ONO É REFERÊNCIA VANGUARDISTA

ARTES VISUAIS
Jornal A tarde fevereiro de 1999.
Fotos Divulgação
Texto Reynivaldo Brito                        

             YOKO ONO EXPÕE EM SALVADOR

Salvador recebe a arte da polêmica Yoko Ono, viúva do beatle John Lennon, que manteve um caminho próprio depois da morte do marido.
Aos poucos algumas exposições começam a chegar a Salvador, depois de serem mostradas no Rio de Janeiro e São Paulo, embora as mais importantes ainda fiquem restritas a estas cidades. Agora, chega uma mostra de Yoko Ono, depois de sua exibição em Brasília – rompendo o eixo Rio-São Paulo – composta – por oito instalações e seis conjuntos de obras divididas em séries de pinturas, fotografias, filmes, trabalhos musicais e instalações da viúva do ex-beatle John Lennon, nos últimos 30 anos.
Na foto ao lado "Pintura em Partes - Um Círculo, de 1994

Será aberta ao público no próximo dia 26, permanecendo até 21 de março, no Museu de Arte Moderna da Bahia, no Solar do Unhão.
Esta cidadã de origem japonesa é apontada pelos beatlemaníacos como uma verdadeira bruxa, responsável pela dissolução do grupo, acusada de gerar brigas constantes entre John e os demais integrantes .Verdade ou mentira, a separação ocorreu coincidentemente quando esta senhora mística apareceu como mulher de John. Outros dizem que ela teria um domínio quase total sobre a vontade dele.
O fato é que ela trilhou um caminho próprio e mantém a sua caminhada até hoje, sendo uma referência da arte de vanguarda em todo o mundo. Notamos uma coerência até na aparência física desta mulher esguia, de semblante misterioso, envolvida em roupas de cor preta. Nas fotografias ou nos vídeos, nos quais costumanos vê-la, Yoko está com o olhar longe ou em uma atitude de meditação quase hipnótica.
Nesta mostra, a principal atração é a instalação Wish Trees for Brazil ( Árvores do Desejo para o Brasil), que foi criada por ela para ser construída no Parque Internacional de Esculturas em Brasília, composta por 60 ipês amarelos, brancos, rosas e roxos dispostos concentricamente em canteiros em torno de um totem de mármore branco. Estas palavras gravadas sem várias línguas completam a instalação:

“Árvores do Desejo para o Brasil. Sussure seu Desejo dentro do tronco de uma árvore”.
(Yoko Ono, Primavera de 1998).

Ao entrar na sala da exposição o visitante encontrará a instalação En Trance, quando será convidado a fazer um percurso estético / linguístico /filosófico em uma interação com a artista. Assim, Yoko vai tecendo seu discurso aberto à intervenção do visitante e esta arte parcipativa permite situações diferenciadas. Muda a cada instante, de acordo com a participação do observador / visitante.
Em seguida, o ideal é conhecer a instalação Ex it, onde o visitante encontrará um jogo de palavras que significa simultaneamente Saída ou Ex isto , feita com 100 caixões em madeira, de onde brotam árvores, e ouvirá uma gravação ambiental de sons e cantos de pássaros.
Yoko Ono foi uma das integrantes do Grupo Fluxus, um dos movimentos modernistas que marcaram a formação da arte conceitual tal como hoje é definida. Formado no início dos anos 60, o grupo foi um movimento polêmico, de difícil interpretação e considerado “aestético”por muitos, embora sua grande contribuição tenha sido a formulação dos conceitos que caracterizam a arte contemporânea.

                                                                                  QUEM É YOKO


Yoko Ono nasceu em Tóquio, em 1933. Durante boa parte dos anos 50 e 60 viveu e trabalhou em Nova Iorque, Tóquio e Londres, estabelecendo-se em Nova Iorque com seu marido John Lennon , a partir de 1971. É uma das precursoras da Arte Conceitual, com trabalhos de 60 e 62 baseados na idéia de instruções e participação que ela chamava de Som de Estrutura e Instruções de Pintura. Estas idéias e o seu conceito de Licença, junto com as estruturas de performances, tiveram uma forte influência na formação do Grupo Fluxus, em 1961.
Seu trabalho resiste a classificações e as formas e materiais servem somente como veículos para sua arte . Um trabalho pode ser representado por um filme, a exemplo de No.4 (Bottoms), de 1966; Rape, de 1969; ou Fly, de 70; um L ou CD – Two Virgins e Life with Lions, de 68; Double Fantasy, de 80 ; Ono Box, de 92; ou ainda uma mostra, caso de War is Over, de 1969; In Celebration of Being Human, de 94, e Have You Seen the Horizont Latelly?, de 97 e 98.Na foto "Family Album: Exhibit P", de 1993.
Recentemente, Yoko Ono vem trabalhando com linguagem e imagens fotográficas manipuladas, como em Vertical Memory, Horizontal Memory, e Mommy Was Beautiful, todos de 97, e Memory Paintings, de 98. Seus trabalhos recentes de instalação incluem En Trance – uma metáfora arquitetônica da vida – produzida entre 1990 e 1998, e Ex IT, de 97, lidando com a morte e o renascimento. Wish Trees, desenvolvido entre 96 e 98, é participativo sobre a esperança e desejo, que vem sendo montado em várias exposições recentes.

CIDADE DE SALVADOR - ESTACIONAMENTOS NÃO CUMPREM A LEI

 OPINIÃO
Reynivaldo Brito


Os estacionamentos são uma fonte de renda certa e a grande maioria não dá cupom fiscal ou qualquer outro comprovante que garanta que estão pagando impostos.Estou com dois comprovantes de estacionamentos em mãos que cobraram a hora cheia. Nada de permanência  fracionada, como manda uma lei municipal.
O estacionamento do Well Park no edifício Atlantis ,no Itaigara, me cobrou R$10,00 por 1.03, ou seja paguei mais R$5,00 por apenas 3 minutos, no dia 10 deste mês. No dia 30 último paguei R$6,00 ao SMS Estacionamentos e Serviços Ltda, no edifício Trade Center pela permanência de 01:03:54.
Portanto, estão desobedecendo tacitamente a lei municipal , e me parece que não existe qualquer fiscalização por parte da Prefeitura Municipal, a quem cabe o controle deste serviço.
O cidadão agora tem mais esta despesa. Se você vai ao médico ou ao dentista, os quais nunca cumprem os horários acertados , tem sempre que desembolsar alguma quantia  porque os prédios onde atendem esses profissionais agora cobram pelo estacionamento. Geralmente são estacionamentos apertados e se você tem um carro maior fica espremido, e a dificuldade para manobrar é realmente grande.Dificilmente aparece alguém para lhe orientar. Fica apenas uma pessoa para cobrar.
Nas ruas da cidade o motorista que necessita estacionar sofre com a abordagem nem sempre cordial dos flanelinhas, que exigem até valores muitas vezes absurdos. Se você não pagar o que eles pedem e estaciona naquela área com alguma frequência corre o risco de ter o seu carro danificado. Outros que ostentam talonários emitidos pela Prefeitura preferem não dar a papeleta e assim embolsam a quantia que você se dispõe a pagar.
Este problema não é somente de Salvador. Em todas as capitais brasileiras existe e necessita que os legisladores municipais encontrem uma fórmula que venha proteger o cidadão que reside nas grandes metrópoles. A cidade é do cidadão e não pode ficar assim  a mercê de  pessoas exploradoras marcando seus espaços na via pública e impondo suas vontades.
O projeto de  Lei Municipal  180/09  prevê multa de R$62,2 mil pela desobediência e até a cassação pela SUCOM  do alvará de funcionamento do estacionamento . Este projeto de lei foi transformado em Lei Municipal número 8.055/11 e está em vigor desde 2 de fevereiro deste ano. O telefone do Codecon para denunciar os abusos é o 71-2203-317.
Até agora não tenho conhecimento que algum estacionamento infrator foi punido. Tem dois exemplos aqui que estou denunciando. Se precisarem dos ticktes estão aqui à disposição.

TURISMO - ALEMANHA :UM BANHO DE CIVILIZAÇÃO E CULTURA

TURISMO
Jornal A Tarde, quarta-feira, 24 de novembro de 1993.
FOTOS DIVULGAÇÃO
Texto Reynivaldo Brito

ALEMANHA II

Viajar é sempre gratificante, principalmente quando o destino é a Alemanha. País que respeita o visitante. Não exige visto e você fica encantado a cada olhar. Tudo está devidamente organizado ou sendo ordenado, e a paisagem é deslumbrante. Os que curtem atividades culturais encontram uma variedade de opções, desde o clássico ao popular, que, em determinados momentos, deixam dúvida na hora da escolha. Esta reportagem mostra um pouco sobre algumas cidades alemãs: Berlim, Hamburgo, Bonn, Colônia, Scwerin e Postdam. Na foto ao lado uma vista geral de Bonn.
Esse é um país de pouco mais de 79milhões de habitantes – o Brasil tem quase o dobro- com uma extensão territorial que é a metade do estado norte-americano do Texas, ou seja, com 357-mil Km 2, tem uma população muito concentrada, especialmente nas regiões industriais dos rios Reno e Ruhr. A grande Berlim está crescendo assustadoramente, e, no ano 2000, deverá ser a capital da Alemanha. Agora, vive um momento, com construções por toda a parte.
A incorporação dos cinco estados alemães: Saxônia, Saxônia- Anhalt, Meclemburgo / Pomerânia Ocidental, Brandeburgo e Turíngia, aumentou a República Federal da Alemanha em um terço e criou novas opções de lazer.
A Saxônia se destaca por seus tesouros artísticos, sendo sua capital, Desden, o centro industrial. A Turíngia tem 33% de suas terras cobertas de florestas, é o chamado coração verde da Alemanha, além de abrigar inúmeros castelos e palacetes. Erfurt, sua capital, é uma das mais belas cidades medievais da Europa. Já o estado de Brandemburgo circunda Berlim, e sua capital, Postdam, ostenta o Palácio Sanssouci, cenário de vários filmes famosos. Em 1945 Potsdam esteve no centro dos acontecimentos mundiais por ter sido o ponto de encontro de Truman, Stálin e Churchil, na conferência que firmou o acordo de Potsdam. Meclemburgo / Pomerânia Ocidental é banhado pelo Mar Báltico, conhecido pelos seus balneários e sua capital é Magdeburgo.

                                                  A NOVA ERA DE BERLIM
A reunificação da Alemanha com a queda do Muro de Berlim, em 09 de novembro de 1989, foi corroborada com a realização das eleições, em 18 de março de 1990, e, em, 23 de agosto, o Parlamento eleito decidiu pela adesão da RDA à República Federal da Alemanha.
A 20 de setembro, os parlamentos de ambos os estados alemães ratificaram o Tratado de Unificação realizado pelos governos.
Eles têm consciência de que a reunificação de seu país não foi uma obra só deles, mas também é certo que ainda existe muita coisa por fazer. Tem pontos em atraso e isso é visível para o turista.
No lado ocidental e, principalmente, no lado leste. Sob as condições liberais da economia de mercado muitas fábricas obsoletas têm sido fechadas, deixando muita gente desempregada. Eu mesmo fiquei no Hotel Stadt, que é o melhor da cidade de Schwerin que foi colocado à venda e até a minha saída não tinha surgido qualquer comprador. Caso não fosse vendido seria desativado e todos os seus funcionários desempregados, muitos com mais de 10 anos de dedicação.
Mais de duas mil empresas já foram privatizadas. Mas, certamente, tudo isso é passageiro, porque a Alemanha ainda vive esta transição, e, tirando a Rússia, é o país de maior população da Europa.

                                                               BERLIM ANO 2000

é verdade que Berlim, a exemplo de Pequim, perdeu para Sidney, na Austrália, na disputa para sediar os Jogos Olímpicos do ano 2000.Estava por lá e senti a frustração de muitos. Os cartazes, as bandeirolas e as camisetas perderam valor da noite para o dia.
Mas, Berlim está se vestindo para a nova era. No ano 2000 cerca de oito milhões de pessoas estarão habitando a cidade, que voltará a ser o centro político da Alemanha. Nesta cidade, que viveu após a Segunda Guerra Mundial sob a administração dos EUA, Grã-Bretanha, França e União Soviética, foi dividida politicamente em 1948-49 e, em 1961, a parte oriental da cidade foi separada pelo fatídico muro.Na foto acima o famoso portão de Brandenburgo.
Hoje, unificada, o turista sente uma sensação de alegria e liberdade quando ultrapassa o portão de Brandenburgo pé ou de automóvel o portão de Brandeburgo, símbolo da “cortina de ferro”, que se desmoronou. Berlim já foi um dos principais pólos culturais da Europa e aos poucos está retomando esta posição.
Assisti à Filarmônica de Berlim. É um programa inesquecível. A cidade oferece uma variedade de espetáculos que extasia o visitante. A famosa Casa de Óperas na luxuosa Avenida Unter den Linden, construída pelo rei Prussiano Frederico II, é algo de extraordinário. È bom, lembrar do famoso festival de cinema, que todos os anos reúne as celebridades internacionais da sétima arte.
Você pode visitar ainda a Universidade Alexander Von Humbolt e à noite dar uma volta na parte leste da cidade, repleta de bares, ainda um pouco marcados pelo soturno da repressão. Lá você encontra bandos de jovens risonhos, prostitutas e travestis nas ruas lembrando outras cidades européias, cenas impossíveis de acontecer a pouco tempo atrás naquelas ruas.
Também é imperdível, como diria um ex-ministro, a ruína da igreja “Gedachtniskirche”, a Prefeitura Vermelha, com sua fonte de Netuno, e o palácio Charlottenburg.

                                      O INCONFUNDÍVEL ENCANTO DE MUNIQUE

 Galpões imensos apinhados de gente cantando, bebendo cerveja e comendo frangos inteiros assados. As mesas ficam tão juntas que você constantemente está batendo suas costas na do vizinho. A orquestra fica a maioria do tempo parada enquanto os alegres alemães, alguns com seus trajes típicos, brincam e cantam canções folclóricas. Lá foram gigantescos parques de diversões num frenesi de luzes conduzem num vaivém constantes jovens aos bandos. Enquanto isso, litros e litros de cerveja são consumidos. É a Oktoberfest que enche Munique de turistas nacionais e estrangeiros.

Esta cidade tem um inconfundível encanto. Suas magníficas construções são testemunho dos reis bávaros. A antiga cidade dos príncipes da Baviera é uma cidade alegre.
No centro da cidade multidões de turistas com suas máquinas em punho param diante do prédio em estilo gótico da prefeitura para apreciar o carrilhão com figuras animadas.
O prédio conhecido por Marienplatz data de 1474, com bares em sua volta, permitindo que você tome uma gostosa cerveja enquanto aprecia o movimento dos que se acotovelam para ver as figuras com trajes medievais do carrilhão. Os horários desses encontros são às 11 e às 5 da tarde. 
Na foto as garotas mostram a boa cerveja
Não deixe de visitar a Igreja de São Pedro. Você pode ainda andar no calçadão Stachus, um centro comercial subterrâneo, e na Marienplatz onde vai encontrar uma variedade imensa de artigos. Museus são 25 ao todo, mas não deixe de visitar a Velha Pinacoteca, mundialmente famosa.


                                            A TERRA DE BETHOVEN E GOETHE                                       
 
Com cerca de 1,6 milhão de habitantes, a cidade livre de Hamburgo (Foto acima) tem o porto marítimo mais importante da Alemanha, e também seu maior centro de comércio exterior e de circulação. Passando pela zona portuária encontramos estaleiros, e refinarias e fábricas de matérias-primas estrangeiras e muitas embarcações de todos os tipos. Defronte alguns casarões antigos invadidos por jovens rebeldes e pobres. Hamburgo foi elevada à categoria de cidade comercial em 1189 tornando-se a mais importante ligação entre os mares do Norte e o Báltico. Sofreu um incêndio devastador em 1842.
O bairro portuário de Hamburgo chama-se Speicherstad é realmente um local rico em tradição, mas não deixa de refletir àquele ambiente portuário das grandes cidades, banhadas por mar ou rio. Nos finais de semana são, tristes.
Hamburgo tem imensas avenidas muito arborizadas e chegam a identificá-la como uma cidade industrial-verde. É uma cidade onde todo mundo se reúne, isto quer dizer que uma infinidade de pessoas de várias nacionalidades estão constantemente em suas ruas.
Basta dizer que nela funcionam 77 consulados, igualando-se a Nova Iorque em representações diplomáticas.
Funcionam também em Hamburgo uma em cada 10 empresas alemãs. Lá também são construídas unidade Airbus, que são transportadas para a França para a montagem final.Também a maioria das grandes editoras do país está ali instalada.
Quem gosta de fazer compras não pode deixar de ir a Monckbergstrasse, que é a parte comercial mais tradicional da cidade onde estão localizadas dezenas de lojas e cafés.
No centro da cidade está Gansemarkt que são mais de mil metros cobertos, onde o visitante encontra artigos de vários países, inclusive artesanato brasileiro.
Tem uma atividade cultural intensa com dois grandes teatros estatais e mais de 20 particulares, uma ópera de fama mundial e muitos cabarés de variedades.
Uma tradição em Hamburgo é a presença de muita gente aos domingos a partir das 6 horas comprando pescado. Ao norte de Hamburgo está Lubeck com seu famoso portal antigo de Holstentor. De automóvel ou de trem você pode curtir muitos locais agradáveis aos arredores da cidade. Graças a sua posição próxima ao mar, a cidade dispõe de um clima moderado, e os meses de julho e agosto são os mais quentes do ano.
De outubro em diante o frio começa a castigar, principalmente nós, nordestinos, aclimatados com este calor dos trópicos.

                                                A CAPITAL  BONN

É uma cidade de poucos mais de 300 mil pessoas, a capital mais jovem da Europa. Uma cidade toda arrumadinha, tem o bairro diplomático onde estão as embaixadas e o Langer Eugen, onde fica o Parlamento. Bonn é sinônimo da política alemã. Mas a cidade tem mais de dois mil anos, já foi acampamento das legiões romanas e cidade medieval de comerciantes e artesões.
O belíssimo prédio da universidade atravessa alguns quarteirões, outrora palácio dos príncipes eleitores, tem ainda o castelo de Poppelsdorf, com seu jardim botânico e seu eixo barroco.
A organização política da República Federal da Alemanha é assim constituída: Chanceler Federal, Ministros Federais, formando o gabinete. Parlamento Federal, e o Conselho Federal formado por representantes dos 16 estados. O chefe do Estado é o Presidente Federal com mandato de cinco anos, eleito pela Assembléia, que se reúne apenas para este fim. O parlamento é a representação do povo e o chanceler é eleito por este Parlamento por indicação do presidente. Este é a vida de Bonn, uma cidade pacata, boa para os que fogem da vida agitada das grandes cidades. Até o aeroporto ela divide com a vizinha Colônia, que tem uma catedral gótica fantástica.
Estive visitando ainda a cidade de Schwerin rodeada de muitos lagos, onde você pode fazer belos passeios de barco. Lá está o castelo dos grãos-duques e de Macklemburgo,do século XIX. Um lugar inesquecível, desses que deixam lembranças.
A cidade é muito aconchegante. Pode-se ainda sentir a presença do atraso comunista.

                                                                   DICAS
A Alemanha está no centro da Europa e tem fácil acesso por vias marítima, terrestre ou aérea a todos os países da comunidade.
Você pode ir de ferry-boat para a Inglaterra e Escandinávia. O portão de entrada é o aeroporto de Rhein-Main, em Frankfurt. Para entrar no País precisa apenas do passaporte atualizado.
Comunicação- As vias de comunicação se desenvolveram de maneira desigual. Portanto, as redes rodoviárias e ferroviárias são mais modernas nos antigos estados. Ou seja, as ligações Norte-Sul são as melhores que as do Leste-Oeste .
Horário- Na Alemanha funciona o horário válido para a Europa Central.
Lojas- Abrem normalmente das 9 horas às 18h30; às quintas-feiras parcialmente até às 20h30min. Interessante é que no primeiro sábado do mês, ficam abertas até às 16 horas, e muita gente que mora nos arredores das grandes cidades acorre para fazer suas compras.
Moeda-Hoje o euro é a moeda oficial.
Os bancos- Abrem de segunda à sexta das 8h30min às 13 e voltam a abrir das 14h30min às 16 horas, sendo que às quintas-feiras ficam até às 17 horas.
Conexões aéreas com Brasil- Há vôos diretos entre Brasil pelas empresas aéreas internacionais.
Passagem de trem- Até 100km, no seu território, só valem para o dia da sua compra.
Para distâncias maiores os bilhetes de ida valem durante 4 dias subseqüentes à data da compra.Bilhetes de ida e volta por um mês.Os bilhetes internacionais por dois meses.





ARTES VISUAIS - MANOEL DO BONFIM: RAÍZES DA BAHIA

ARTES VISUAIS
Jornal A Tarde 28 de janeiro de 2003.
Texto Reynivaldo Brito
Foto Geraldo Ataíde

TALENTO - Manoel do Bonfim  expõe esculturas,talhas e pinturas em mostra na galeria da Casa do Comércio


Tudo gira em torno das manifestações da religiosidade do povo, dos espíritos e deuses que povoam o imaginário dos africanos e afro-descendentes.
Ele está comemorando 50 anos de arte.Nasceu em Salvador em 25 de maio de 1928. Basta isso para criar uma curiosidade natural :saber o que fez este artista durante cinco décadas. A resposta é fácil: fez arte. Uma arte forte, que sai das suas entranhas africanas e do seu compromisso com o candomblé.
Antecedeu-lhe o escultor Agnaldo Silva, já falecido, que deixou uma marca indelével de seu talento. Agora,Bonfim continua esculpindo orixás e símbolos do candomblé com a naturalidade de sua convivência com a religião afro-brasileira.

                                                        PRAÇAS PÚBLICAS

Negro, cabelos alvos e o corpanzil que lembra um pai-de-santo, o velho Bonfim, como o chamamos carinhosamente, é uma dessas figuras baianas que marcam sua presença pelo trato, pelo trabalho ligado às coisas da terra.
Tem obras em praças públicas, a exemplo da Iemanjá que todos veneram no dia 2 de fevereiro na Casa do Peso, no bairro do Rio Vermelho. Também tem esculturas em coleções da Alemanha,Estados Unidos, França,Inglaterra, Israel, México, Itália e Espanha.
A arte com forte influência africana tem um caráter religioso deliberado. Tudo gira em torno das manifestações da religiosidade do povo, dos espíritos e deuses que povoam o imaginário dos africanos e afro-descendentes.

                                                          TRAJETÓRIA

O velho Bonfim começou sua trajetória na Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia, na qualidade de funcionário, onde ingressou em 1950. Este contato dia a dia com a arte terminou por transformá-lo num artista profissional. Coube ao mestre Mendonça Filho a primeira influência direta, ao lado de Alberto Valença, Adolf Buck, Jair Brandão, Réscala, Mário Cravo e Carybé. Este time de primeira fez brotar o que existia latente na alma desde artista do povo.
Desta convivênccia nasceu o escultor que hoje mostra o seu talento na exposição Raízes da Alma, na galeria da Casa do Comércio, onde se podem examinar as esculturas, talhas e pinturas com forte influência de suas raízes africanas.
Afinal, Bonfim é um integrante do candomblé e um negro que cultua a sua origem com uma simplicidade singular. Tem dois filhos que, também, se dedicam às artes. Um deles até se formou na Escola de Belas Artes e, hoje, retrata os casarios, as igrejas e outros monumentos históricos . O outro pinta paisagens.
Escreveu o saudoso Jorge Amado que “ Manoel do Bonfim é um filho do povo da Bahia, cuja arte ingênua, porém verdadeira, nasce diretamente das fontes da cultura popular e se mantém fiel às origens em sua criação despida de artificialismos, de modismo, integrada nas tradições e na vida.
O caminho do artista Bonfim foi traçado por ele próprio, com seus próprios meios, com obstinação.
Aprendeu com o povo, nas rodas de samba, nos candomblés, nas escolas de capoeira, nos carurus de Cosme e Damião, na rampa do Mercado , ao lado dos pescadores, da gente pobre, aprendeu com os orixás”.



quarta-feira, 30 de maio de 2012

TURISMO - UM PARAÍSO NO BAIXO SUL

A Tarde, quarta-feira, 8 de dezembro de 1983.
Fotos Cefet e Google
Texto Reynivaldo Brito

A terceira maior baía do país é a de Camamu, pródiga em pontos de extraordinária beleza, ainda primitivos, onde o visitante tem realmente um forte contato com a natureza. De grandes extensões de praias desertas, qualquer embarcação de médio e pequeno portes pode fundear, proporcionando aos passageiros momentos inesquecíveis.
Rios, riachos com belas cachoeiras, aliados a uma arquitetura colonial de igrejas e casarões que ainda resistem à sanha incontrolável dos modernos os compõem o cenário.
A cidade de Camamu é aconchegante e tem razoável infra-estrutura hoteleira, destacando-se o Hotel Rio Acaraí, que pertencia ao estado, e, que hoje é explorado pela iniciativa privada. Esta foto foi tirada pelo pessoal do CEFET e mostra bem a baía de Camamu.
As praias de Campinho, Cajaíba, Praia Grande e Ponta do Santo, além da beleza dos manguezais, e berço da reprodução de peixes e moluscos, e a verdadeira escultura natural, que é Pedra Furada, onde a ação da água e dos ventos proporciona uma bela visão, formam a todo um invejável potencial turístico.
A Igreja de Nossa Senhora da Assunção descortina do alto da colina uma visão total da Baía de Camamu. Esta Igreja, esquecida pelo Patrimônio Histórico, foi reformada recentemente e podemos sentir que as cores e outros elementos ali introduzidos a descaracterizaram. O próprio teto foi substituído e pintado de branco, quando antes tinha uma bonita pintura com figura de santos e anjos, segundo os moradores mais velhos da cidade. O antigo prédio da cadeia pública é outro exemplar que deve ser
preservado pelos moradores e o Poder Público.

                                                           UM POUCO DE HISTÓRIA

Segundo o livro do advogado João Carlos Souto, intitulado “Anotações das Sete Léguas” a história da cidade está intimamente ligada á do próprio País. Foram os Jesuítas que introduziram as culturas da cana-de-açúcar, cacau e canela de forma pioneira em toda Capitania de São Jorge dos Ilhéus, a qual pertencia. Dizem os historiadores que a cidade enfrentou tentativas de invasão, as quais foram rechaçadas pelos moradores, jesuítas e com ajuda dos índios da tribo Macamamus. Por lá teria passado o aventureiro inglês Robert Whithrington, que velejou até Camamu, mas não conseguiu desembarcar porque um tal de Antônio Alves Caapara, vindo do recôncavo, e auxiliado pelos moradores, matou oito britânicos, exibindo suas cabeças como troféus.
A escolha de Camamu pelo pirata inglês está relacionada com a sua posição geográfica e também por ser naquela época uma aldeia próspera. Em 1637, os holandeses deram por àquelas bandas e incendiaram a aldeia sob o comando do almirante Lichthardt, e três anos depois pelo coronel Koen. Aí os habitantes decidiram criar algumas barreiras dificultando o acesso à aldeia. Num esforço titânico jogaram imensas pedras, as quais até hoje dificultam o tráfego de embarcações na baía, necessitando de um guia experimentado para contorná-las

                                                           ORIGEM INDÍGENA

A palavra Camamu segundo Teodoro Sampaio, especialista na língua Tupy, significa “o peito negro, espécie de ave aquática”, para Pirajá da Silva, filho da cidade, que traduziu a obra dos viajantes e cientistas Spix e Marthius,que estiveram na região, Camamu tem origem na tribo dos Macamamus.
Existem no município de Camamu 18 igrejas, sendo as principais a Matriz de Nossa Senhora da Assunção e três outras sob a invocação de São Benedito. A localizada na antiga Praça do Desterro, hoje rebatizada como nome de Praça Dr. Francisco Xavier Borges, é a mais antiga, exatamente a que está necessitando de uma restauração urgente.

                                                         APELO TURÍSTICO

A exemplo de Salvador, que tem Cidade Alta e Cidade Baixa, em Camamu também você terá oportunidade de visitar a Cidade Alta e a Cidade Baixa. Edificada no alto da colina, para melhor se defender dos possíveis ataques de invasores, com o aumento da população, as novas moradias eram construídas no pé das colinas, à beira do rio.
Também o autor das “Anotações das Sete Léguas” faz um convite a todos que gostam de um contato mais direto com a gente simples do interior. Diz ele: “Venha, ponha Camumu no seu próximo roteiro.
Descubra este paraíso tropical, essa quadricentenária cidade que parou no tempo e adormece esquecida, descansando sobre acontecimentos de fundamental relevância histórica”. “Venha - apela- Camamu lhe aguarda. O seu povo lhe espera de braços abertos, alegre e jovial. Não demore, apareça e tome uns tragos no bar de D. Zizinha, ou no Provisório. Ouça o ABC da cachaça declamado por Mineirinho e as hilariantes estórias de Zé Lodo e Chico Tamba. Ouça a bela e injustiçada voz do Careca”.

                           FESTAS POPULARES E ATRATIVOS NATURAIS

Quanto às festas religiosas, a primeira quinzena do mês de agosto é dedicada aos festejos da padroeira do município Nossa Senhora da Assunção. No dia 15 é a data magna para os camamuenses antecedendo este dia era feita com muita animação a lavagem da igreja, no dia 11. Mas este evento perdeu, no decorrer dos anos, a sua animação característica. Os camamuenses precisam reviver com mais vigor esta tradição, como também a festa de São Benedito, dedicada aos negros, quando homens tocavam tambores e atabaques e um grupo de pessoas levava a imagem em cortejo para a “esmola ” visitando as casas comerciais e residenciais buscando recursos para manutenção da igreja.
Entre a Ilha Grande de Camamu e a praia da Ponta do Santo você encontra uma pequena ilha conhecida por Pedra Furada, onde a natureza moldou uma gruta sui generis e de grande beleza. Esta ilhota é toda cercada de arrecifes que se prolongam até a Ilha Grande, daí alguns acreditarem que eram ligadas.
O certo é que a Ilha Grande é a maior do município e possui uma jazida de baritina explorada desde a década de 40. Esta exploração contínua provocou a retirada da cobertura vegetal de grande parte da Ilha, depredação que o visitante visualiza de longe. Tive conhecimento que um movimento de ambientalistas conseguiu obrigar a empresa a realizar um trabalho de recuperação, porém a ferida ainda está aberta e visível.
O porto de embarque deste minério que é utilizado pela Petrobrás na perfuração de poços de petróleo que é exportado, tem um porto bonito conhecido por “Caminho Sem Fim”.
A Ilha vive basicamente da exploração do minério e os nativos trabalham na empresa.
As cachoeiras são pontos fortes do roteiro turístico do município. A do Rio Acaraí fica no distrito do mesmo nome. Ali funcionava uma pequena usina hidroelétrica, cujo maquinário ainda se encontra lá, desativado.
Nos finais de semana um grande número de pessoas banha-se nas águas claras do Acaraí, que fica apenas 6 km do centro da cidade.Uma bela piscina natural serve para o banho da maioria dos visitantes.
Embora ela seja a mais conhecida e acessível existe outra na região do rio Orojó, dentro da fazenda Cepel, que também é muito bonita. Além dessas existem outras menores como as do rios Tiriri, Pinaré, Igrapiúna. A da Fazenda Três Pancadas, é a mais alta, com cerca de 50 metros de altura. Tem se uma bela visão por ficar situada na fazenda do grupo multinacional Michelin, dentro de uma mata fechada. O acesso também é permitido aos visitantes.

                                                                        DICAS

Localização- Camamu está situada a 365 km de Salvador e para chegar até lá você tem duas opções: utilizar a rodovia BR-324 e depois pegar a BR-101, à altura do Km-428, no povoado de Travessão, ou então recorrer ao sistema ferry-boat para fazer a travessia da Baía de Todos os Santos. Neste caso, com a recente inauguração da rodovia Nazaré/Valença, você simplesmente reduzirá sua viagem em mais de cem quilômetros.
Clima- Excelente, principalmente durante o verão, com a temperatura girando em torno dos 30 graus entre os meses de novembro e março. Os meses de junho e agosto são os mais frios, quando a temperatura cai, ficando em torno dos 23 graus e a mínima de 15 graus.
Hospedagem- O principal hotel da cidade é o Rio Acaraí, vizinho da tradicional Igreja de São Benedito, a qual está necessitando, urgentemente, de reformas, principalmente no seu teto, que está prestes a desabar. O hotel tem 19 apartamentos confortáveis, e oferece aos visitantes um café da manhã somente igualado aos que são servidos nos resorts 5 estrelas.
Em outras áreas encontram-se ainda hotéis: o “Green House” (Cidade Baixa), na Rua Djalma Dutra,61 com instalações mais simples e atendimento simpático; “Ponta do Mutá”, Barra Grande, Praça do Sossego, ambiente rústico; e “Tubarão”, também em Barra Grande.
Restaurantes- Os recomendados pelo Guia Quatro Rodas “Viajar Bem e Barato” são os seguintes: Green House” (hotel), refeições simples mais saborosas, à base de frutos do mar (peixe, caranguejo e camarão) ; “Sol de Verão”, rua Agnelo Lira, também na Cidade Baixa, ambiente simples e pratos variados: frango, carne, camarão, caranguejo ou peixe; “Tubarão”, na pousada do mesmo nome (serve só frutos do mar). Os restaurantes da cidade, na verdade, são insuficientes para atender aos visitantes, valendo destacar, ainda, o de D. Lili e Pedro, cuja comida, à base de frutos do mar, é deliciosa.
Passeio de barco- Uma opção que vale apena para quem deseja conhecer as belezas naturais da Baía de Camamu e as ilhas de Cajaíba, Campinho, Grande, Pedra Furada, Quiépe, Pequena, do Âmbar, das Flores, Vilas de Pescadores, etc. Para maiores informações, sugerimos contatar o Centro de Informações Turísticas, localizado na Praça N. S. Assunção, (onde fica a histórica igreja, construída em 1631), cujo telefone é o seguinte: 3255-2250.
Praias- As mais indicadas para o turismo são as de Barra Grande (vila de pescadores, já com casas de veraneio, pousadas e restaurantes; Ponta do Santo, Ponta dos Tubarões, do Goió, do Campinho, Ponta do Contrato, ao Norte;e Maraú, Algodões, Arandi, Saquaíra, Taipus de Fora, Três Coqueiros (Camping) e Piracanga.








COMPORTAMENTO -O SHOW DO AGRÔNOMO QUASE ACABA O CIRCO ZAMBROTTA

Jornal A Tarde, segunda-feira , 25 de julho de 1977.

Ilhéus, reportagem Reynivaldo Brito Fotos Gildo Lima

COMPORTAMENTO 


A chegada de um circo numa cidade do interior sempre é motivo de festa, mas desta vez foi motivo de desespero, intranqüilidade, agressões e fome. Tudo isto porque o agrônomo Carlos Bastos, da Ceplac, resolveu quebrar toda a estrutura do espetáculo programado tentando entrar à força, antes do horário previsto. Não adiantaram as ponderações do porteiro, que recebeu como resposta um violento soco no estômago.

O "espetáculo" foi apresentado no portão do circo ( foto)
Trata-se do “Circo Italiano Zambrotta” que está instalado numa pracinha da cidade de Ilhéus, tradicionalmente hospitaleira.A briga envolveu toda a comunidade circense e também os próprios moradores de Ilhéus, as autoridades, comerciantes e gente do povo.
Todos os artistas foram presos, e um deles, o Rogério Torres que juntamente com seu irmão faz a famosa dupla “Os Irmãos Torres”, no Globo da Morte, está trancafiado junto a vários marginais num cubículo mal cheiroso há duas semanas.
Sua prisão preventiva foi solicitada pelo delegado local à Justiça, por ter ele se envolvido na briga provocada pelo agrônomo. Assim desde o dia 11, quando estava marcada a estréia, até a última quinta-feira o circo permaneceu fechado porque o prefeito cassou o alvará, antes concedido. Com isto quase uma centena de pessoas que integram o circo tiveram que mendigar, através das emissoras de rádio locais, comida para as trinta e poucas crianças, vinte poucas mulheres, homens e os animais.
Um drama terrível para esta gente considerada “estrangeira” à comunidade, criada por um momento impensado de um homem que certamente tem um desejo reprimido de ser artista.

               COMO FOI
O circo italiano Zambrotta chegara a Ilhéus no dia 8 e começou a ser instalado numa pracinha gramada. Os caminhões foram descarregados e todos participavam alegremente da montagem dos equipamentos. Estabeleceu-se toda a ambientação, quase espontânea, com o transitar dos artistas em seu labor, com a presença dos animais e especialmente com os sons estridentes dos alto-falantes colocados estrategicamente em cima de dois veículos que percorriam as ruas esburacadas de Ilhéus.
Uma chegada festiva. Para o dia 11 (domingo) foi programada a estréia com um espetáculo vespertino dedicado às crianças da cidade.A pracinha virou uma festa.
Foto do delegado que mandou prender todos os artistas do circo.
Centenas de crianças foram levadas por seus pais para “ver o circo”, quando de repente surgiu o agrônomo Carlos Bastos e seus familiares. Ele almoçara fartamente e tomara algumas cervejas. Natural, era um dia de domingo. Ao chegar comprou os ingressos para dois filhos e três empregadas e dirigiu-se à portaria.
O porteiro explicou que a vendagem de ingressos estava sendo feita para evitar possíveis filas e que dentro em breve os portões seriam abertos. Ele insistiu em entrar.
O porteiro não cedeu e continuou dando suas desculpas quando recebeu um tremendo soco no estômago. Saiu correndo e o agrônomo enfurecido corria ao seu encalço. O porteiro entrou no “trailler”. Chegaram outros artistas e tentaram apaziguar. O agrônomo enfurecido desacatava a todos.
Até que um artista gritou de lá “devolva o dinheiro deste p.... “ foi o suficiente para Carlos Bastos estabelecer a confusão em todo o circo. O espetáculo deixava o seu local tradicional o picadeiro com a presença dos artistas, para a portaria onde o único a exibir-se era o agressor.
O agressor foi repelido com socos e pontapés por alguns artistas. Ninguém conseguia contê-los até que caiu semi-desacordado em frente a seus familiares. Foi levado para uma clínica onde engessou o braço esquerdo e fez algumas radiografias.

                                                              ENVOLVIMENTO

O agrônomo é um profissional respeitado e tem uma privilegiada posição social.Com isto foi envolvida grande parte da sociedade de Ilhéus desde o prefeito, delegado e a própria Justiça e o povo.
O vice-prefeito Jaziel Matos de Almeida (do MDB) no momento da confusão foi um dos que separaram a briga e terminou sendo arrolado como testemunha do inquérito policial. Encontrei-o em seu armazém de secos e molhados conferindo o caixa.
Disse ele que “quando cheguei ao circo já encontrei o Carlos Bastos que reclamava em voz alta querendo entrar com seus filhos” . Dizia que “este circo não tem gabarito para ser armado em Ilhéus. De certa forma estava provocando o pessoal do circo. Até aí ele não tinha razão. Quando a discussão chegou a um ponto insuportável outro membro do circo entrou na história mandando devolver o dinheiro ao Carlos. De repente vi o Carlos socando o porteiro e correndo para pegar o que havia mandado devolver o dinheiro.
(Era o Wander Zambrotta um dos donos do circo). Este saiu correndo e segurou com as duas mãos as cordas esticadas que sustentam o toldo do circo e quando o Carlos aproximou-se jogou os dois pés no peito, o Carlos caiu. Vieram outros e chutaram-no.
Acho que a coisa foi realmente provocada pelo Carlos Bastos, mas também foi um ato de covardia a intromissão de outros membros do circo.”
E continuou “ Quanto ao rapaz que está preso, o artista Rogério Torres, foi talvez o que menos teve participação na briga. Ele deu apenas um pontapé inicial”.
O delegado João Adonias Aguiar também é amigo de Carlos Bastos. Disse que “solicitei a prisão preventiva porque o rapaz sofreu lesões corporais de certa gravidade e o pessoal do circo é nômade e poderia desaparecer a qualquer momento. Quando recebi a queixa mandei deter todo o pessoal do circo para reconhecimento dos culpados da briga. “ Prendi uns quatro ou cinco fazendo valer meu poder de polícia”.
Na realidade o delegado prendeu todos os integrantes do circo, inclusive as crianças e as mulheres. O Wander Zambrotta conseguiu fugir e o único que permanece preso é Rogério Torres. “Reconheço que a cadeia é uma porcaria - adianta o delegado e com isto fica penalizado com o rapaz por estar no meio daquela gente. Mas, que poderia fazer? Fiz tudo dentro da lei. Aliás, fico em cima da lei explorando o código. Como o juiz concedeu a preventiva que solicitei tudo depende do advogado do Rogério Torres que poderá requerer um habeas-corpus”, concluiu.
O juiz Luiz Pedreira, grosseiramente, evitou o contato como repórter. Quando o encontrei estava abrindo a porta do seu carro. Identifiquei-me e comecei a falar.Antes de terminar virou-se para mim e disse: Só atendo segunda-feira, às 14 horas, no fórum. “Tenho um casamento para fazer agora” ,entrou no carro imprimindo velocidade, o que não conseguiu porque o carro estava “frio” e estancou.Corri e ele novamente acionou a máquina do veículo e partiu em disparada.
Segundo a advogada do Wander Zambrotta que é um dos proprietários do circo “ o juiz foi precipitado. Mas a prisão não é ilegal do ponto de vista jurídico. A advogada é Dra. Regina Travassos, esposa do promotor público. Ela concorda no envolvimento das autoridades na questão tendo em vista a reputação da pessoa responsável pela briga. Entrei com uma medida cautelar de arresto como medida reparatória de uma ação de responsabilidade civil. Como o circo é nômade, estranho à comunidade, o juiz achou por bem conceder a liminar, apreendendo vários veículos (cinco) e o prefeito cassou o alvará de funcionamento. O juiz tomou a atitude de apreensão dos carros porque o pessoal ia embora. Uma prova é que o toldo e as estacas estavam num caminhão marca Mercedes-Benz o qual foi apreendido, mas que consegui liberar, no dia 21. O prefeito reconsiderou o fornecimento do alvará e dois dias depois o circo estreou.
Impetrei um mandato de segurança para devolução dos cinco veículos e quando contestei a apreensão dos mesmos ofereci a leoa que vale Cr$ 200 mil cruzeiros como, garantia. “O juiz Luiz Pedreira, não aceitou porque não tinha como guardá-la no fórum”.

                                                                    A LEOA

Assim a leoa chamada de “Baronesa” que tem 15 anos de idade entrou na briga.Ela está abatida porque passou alguns dias sem comer juntamente com outros animais, crianças e mulheres integrantes do circo. Eles ficaram mais de dez dias parados. O dinheiro acabou e não tinham crédito para comprar fiado na praça de Ilhéus. O pessoal ficou desesperado e apelou para o sentimento humanitário da população pedindo comida para as crianças e os animais através de mensagens gravadas nas estações de rádio. Os motoristas de praça se cotizaram, fizeram uma lista e enviaram algum dinheiro. De uma padaria foram enviados alguns cestos de pão. O próprio vice-prefeito Jaziel Mattos de Almeida mandou carne, feijão e farinha do seu armazém de secos e molhados. Muitas outras pessoas penalizadas com o estado de fome a que chegara o pessoal do circo também enviaram suas contribuições.
O empresário do circo Rivaldo Lima Anastásio está revoltado com a situação.“Ficamos abismados quando a coisa estourou entramos em contato com o pessoal do batalhão da Polícia Militar e fomos informados que nada podiam fazer porque estavam sem viaturas. Se eles tivessem vindo o problema teria sido solucionado e nós não estaríamos tão prejudicados. Tivemos um grande prejuízo e estamos sofrendo até hoje porque o número de pessoas que comparece aos espetáculos são irrisórios. O pior é que estamos com cinco veículos presos porque o agressor ainda pleiteia uma indenização de Cr$ 100 mil cruzeiros. Inicialmente queria Cr$ 150 mil e agora no papel diminuiu.Acho que esta pretensão não tem qualquer sentido porque foi ele o causador de toda a intriga.

                                                            TRADIÇÃO

O circo Italiano Zambrotta é um dos mais antigos do Brasil. Como a maioria dos circos ele vem passando de pai para filho há mais de duzentos anos. Atualmente, é dirigido por D. Zélia Zambrotta, que tem setenta e cinco anos e está imobilizada porque um trapezista caiu, quando se exibia, em cima dela. Além dela seus dois filhos Eurípedes Anastácio e Wander Zambrotta cuidam da direção. O Eurípedes é que toma a frente dos negócios e ao mesmo tempo é o domador de “Baronesa.” Disse “ que a leoa não quiseram como fiança mas ela vale mais de Cr$ 200 mil cruzeiros. Não é mansa. “Gosta de comer muito e está há mais de 14 anos conosco. Compramos ainda pequena e veio da África.“Ela é umas das atrações principais do circo por ser valente e muito forte”.Depois aponta para o focinho da “Baronesa” onde nasceu uma imensa verruga que sangra constantemente.Ela está abatida especialmente porque ficou alguns dias sem comer nada devido a confusão.”
Já o Rogério Torres é um paulista que tinha como profissão inicial de torneiro mecânico, que aprendeu quando serviu ao Exército. È um rapaz forte e de temperamento tranqüilo, necessário para o tipo de espetáculo que dá que é o Globo da Morte, juntamente com seu irmão, formando a dupla “ Os Irmãos Torres”,esta dupla recentemente apresentou-se em Salvador no circo Vostok, que ficou armado no Rio Vermelho. Os artistas de circo fazem contratos por temporadas curtas com os empresários e constantemente estão mudando de um para o outro circo. Tudo que fazem é para garantir a sobrevivência. E Rogério está preso, sem poder trabalhar, o que vem a constituir grande drama para ele e seu irmão e o próprio circo.
Rogério diz que entrei na briga para acalmar a situação. Passei uns 15 minutos tentando acalmar e recebia palavrões. Quando o senhor (Carlos Bastos) correu para pegar o Wander, dei um pontapé para contê-lo. Dei as costas e saí e hoje estou aqui há mais de 15 dias. Espero que na segunda-feira (hoje) o meu advogado consiga me tirar daqui”.

                                  O AGRESSOR VIROU VÍTIMA

Já o agrônomo Carlos Bastos virou vítima. Encheram seu braço de gesso e seu tórax de esparadrapo. Passou a ser visitado por todas as autoridades e um detalhe importante é que não está imobilizado numa cama e muito menos proibido de falar e até hoje não foi ouvido no inquérito policial e mesmo na Justiça. Já está trabalhando conforme confessou ao repórter “para se distrair. O que desejo é que este circo vá logo embora”.
Em sua versão, Carlos Bastos disse que reclamou porque as crianças estavam no sol. Quando reclamava um cara gritou para devolver o dinheiro e deu um palavrão.
“Não estou para levar desaforo de ninguém, nem tampouco admito que alguém me ofenda muito menos perto de minha família. Não posso adiantar muita coisa porque entreguei o problema ao meu advogado” disse evitando a conversa.
“ Tem uma ação criminal, cujo Inquérito está na polícia e outra ação civil. Não entendo do assunto e não quero discutir nada. O negócio é com a Justiça. Procure o juiz Luís Pedreira que é uma pessoa muito acessível”.
O que não foi comprovado pelo repórter que não conseguiu ouvi-lo. A recusa foi deseducada e grosseira, atitude que não combina com o cargo de magistrado.
Foto acima do agronômo Carlos Bastos responsável pelo drama do circo.
O caso do circo Italiano Zambrotta continua, já que o artista Rogério Torres está preso e impossibilitado de trabalhar e um proprietário do mesmo, o Wander Zambrotta está foragido com a prisão preventiva decretada pelo juiz Luís Pedreira. Os espetáculos continuam porque o show não pode parar e eles precisam sobreviver.
Mas, a tristeza é grande e perderam àquela graça tão necessária e tão querida da criançada. Tudo isto porque um estranho resolveu dar um espetáculo fora do picadeiro.

















POLÍTICA - BANALIZARAM A GREVE

OPINIÃO
Reynivaldo Brito
Foto Google

A greve é um instrumento legal e importante para o trabalhador e um direito constitucional. Mas, no Brasil temos a tendência para avacalhar tudo. Assim banalizaram a greve e ninguém toma conhecimento. A Justiça torna  a greve ilegal ou manda que os grevistas coloquem determinada quantidade de trabalhadores para atender à população, quando o serviço é essencial para a sociedade e nada acontece. Foto dos professores em greve .
 Veja o que os rodoviários fizeram recentemente. Simplesmente não cumpriram a determinação da Justiça para colocar 30% da frota nas ruas. Quase ninguém apareceu nas garagens e os poucos que apareceram foram quase que linchados pelos grevistas. Nesses casos a Justiça estipula uma multa diária ao sindicato responsável. Você tem conhecimento que algum sindicato tenha pago essas multas determinadas pela Justiça? Acredito que não, então tem que se mudar a legislação para  por exemplo, autorizar os patrões a descontar os dias parados das greves ilegais, contratar substitutos ou até mesmo terceirizar os tais serviços de mão de obra.
Os professores estão em greve há quase dois meses na Bahia,  o que pode inviabilizar o ano letivo. O Governo tem uma lei chamada de Lei da Responsabilidade Fiscal que coloca limites nos gastos para cada exercício. Acontece que os professores não querem saber de nada, os salários injustos e baixos que recebem, há muitos anos, estimulam a paralisação.
Pergunto, é justo o salário que recebe um professor na Bahia ou em quaisquer outros estado brasileiro? Claro que não. Os salários são realmente irrisórios pelo trabalho importante que realizam. Porém, nunca se deve criar um impasse como este, de quase dois meses sem aulas, porque quem perde são milhares de alunos pobres que estudam nas escolas públicas.
Dizem que a greve é efetiva justamente porque prejudica as pessoas, e assim mostra-se que é um instrumento forte e efetivo do trabalhador. Mas, certamente, tudo tem limite. Não podemos banalizar a greve. Veja nos noticiários dos jornais e da tv quantas greves estão acontecendo atualmente em nosso país. É um verdadeiro festival de greves.
Os professores do Estado levaram 115 dias em greve! Talvez a greve mais demorada na história da categoria. Dizem os professores que o Governador não cumpriu acordos assinados anteriormente e isto teria criado o impasse. Felizmente a greve acabou, mas deixou um prejuízo incalculável para os milhares de estudantes. É preciso bom senso e evitar esses impasses quase intransponíveis.

terça-feira, 29 de maio de 2012

FOTOGRAFIA - MÁRIO CRAVO NETO : IMAGENS INSÓLITAS

ARTES VISUAIS

Jornal A Tarde 22 de abril de 1995
Texto Reynivaldo Brito

O misticismo e a miscigenação aparecem, com grande força criativa nas fotos de Mário Cravo Neto.

Após 12 anos, Mário Cravo Neto confessa ter concluído seu projeto, composto de uma série de fotografias mostrando a relação do corpo humano com a natureza tropical. São 60 fotos de 1m X 1m,onde o artista estabelece uma relação, às vezes beirando o imaginário, outras chegam perto do insólito, como, por exemplo, a foto da capa do catálogo, onde surge o detalhe de um rosto com um objeto que parece uma semente de jatobá no ouvido. São fotografias preparadas, pensadas por Mariozinho, que fogem do trivial. Não são simples retratos, porque essa relação lúdica com os objetos, que às vezes são estranhos e não facilmente identificáveis, instigam o observador.
Na foto Tinho com osso, 1990.
O misticismo e a miscigenação, tão presentes na vida e na cultura baianas, são expostos com grande força criativa e revelam esta ligação do artista que, embora tenha uma linguagem universal no seu trabalho, carrega esta baianidade na forma e no conteúdo. São influências palpáveis que enriquecem mais ainda o seu trabalho, hoje reconhecido não apenas no Brasil como em várias metrópoles de outros países.
Lembro de um livro de fotografias de sua autoria, evocando os ex-votos, onde estas esculturas populares de caráter religioso ganharam uma força de expressão extraordinária, num jogo de luz e sombra, ressaltando o essencial. Desde àquela época que o trabalho fotográfico de Mariozinho vem percorrendo caminhos diferentes, porém sempre com um cuidado muito grande com o formalismo e a produção.
Esta maneira inventiva de criar suas fotografias e a escolha de objetos que passam despercebidos pela maioria dos mortais colocam em pauta esta sua capacidade de enxergar com sensibilidade e estabelecer esta junção entre o corpo humano e esses objetos. Um pedaço de osso, um chifre, uma semente, uma linha que envolve um rosto, enfim, são situações criadas que dão uma força de expressividade acima de qualquer realidade. Assim, o seu mundo imaginário, religioso, místico e instigante está aí para apreciarmos, dentro de uma visão poética desta relação do corpo humano com esses materiais conhecidos ou estranhos.
Não podemos separar a obra de Mário Cravo Neto do grande fotógrafo Pierre Verger, o grande mestre da fotografia, que influenciou toda uma geração. Evidentemente que Verger é acima de tudo um documentarista, e as fotos de Mariozinho são formalistas, criadas propositadamente, escolhendo os elementos e os detalhes do corpo humano. Aqui ele se expressa com liberdade, utilizando essencialmente a luz natural. Ele está expondo no show room da loja de Andréa Velame, na ladeira da Barra e no Masp.

COMPORTAMENTO - O FAVOR É IMPAGÁVEL



OPINIÃO

Jornal A Tarde 31 de novembro de 2002
Texto Reynivaldo Brito


A ingratidão é um sentimento ou está ligada ao caráter do indivíduo? Tenho em mente uma frase dita por uma  pessoa que tem grande experiência de vida que é o psiquiatra Sílio Andrade: "O beneficiado nunca perdoa o favor que lhes faça". Portanto, se você fizer um favor a alguém pode esperar que existe uma grande possibilidade de essa pessoa o evitar ou, na primeira oportunidade, arquitetar alguma ação que desagrade. O favor é impagável.
Diante dessa constatação, o que fazer? Deixar de atender a uma solicitação de um conhecido, colega de trabalho ou mesmo parente? É uma situação embaraçosa e de difícil resposta. Normalmente, optamos por atender, ajudar,até por uma questão, muitas vezes , de sentimento de solidariedade ou humanitário. Mas corremos o risco de receber uma ingratidão de volta.
Acho que ninguém de sã consciência faz um favor ou um bem a alguém esperando troco. Porém, o máximo que podemos esperar  é que essa pessoa não nos cause embaraço ou dificuldade.
Tenho observado e sentido na própria pele outra constatação na difícil convivência humana. Diz um dito popular que "a criatura sempre se rebela contra o criador". Isto começou com Adão e Eva, que simbolicamente eternizou o ato da rebeldia representado por uma maçã saboreada por Eva. De lá para cá, bilhões de maçãs foram e são saboreadas todos os minutos pelos que, de alguma maneira, traem seus criadores, tutores e padrinhos.
É a vida, dizem os céticos. Sabemos que a Terra continua a girar e que a vida vai sucumbindo a cada segundo. Sabemos também que as pessoas mudam, e, consequentemente, as relações humanas. Muitas mudam ao sabor das conveniências pessoais e aí bajulam , se humilham, agarradas aos estertores do poder ou de quem está por cima em determinados momentos de sua existência. Mas tudo isso não nos impede de ficarmos indignados com atitudes mesquinhas de terceiros. Este direito inalienável de pensar, de refletir sobre atitudes nos enriquece, desde que guardemos um distanciamento emocional.
Como não busco o reino dos céus, mesmo porque tenho dúvidas se existe uma segunda vida, passa  longe de mim o esquecimento dessas atitudes. Ignoro para o resto da vida e desprezo todos os falsos, ingratos e arrogantes. Não os desejo mal algum. Quero que  continuem seus caminhos , mas longe de mim.
Nos intervalos de uma entrevista que fiz com um famoso escritor baiano, recentemente falecido , para a revista manchete, ele me revelou três coisas que guardei. Disse-me que àquela altura da vida não queria conhecer mais ninguém e que lhe bastavam os amigos que tinha feito durante sua existência. Disse-me ainda, que preferia estar por perto dos falsos amigos e dos inimigos para vigiá-los melhor. Aí discordo do querido escritor. Ao contrário, prefiro ficar longe dos falsos amigos e dos inimigos gratuitos que, porventura , existam, porque tenho um temperamento  de intolerância para com eles.É um defeito, eu sei.Mas, quem não os tem?

COMPORTAMENTO - O SUCESSO INCOMODA

OPINIÃO
Texto Reynivaldo Brito
Jornal A Tarde 9 de setembro de 1992.
"No Brasil , sucesso é ofensa pessoal", Tom Jobim

Tenho observado como o sucesso dos outros incomoda. Nas conversas na universidade, nas mesas dos bares da moda, no ambiente de trabalho e mesmo nas reuniões em casas de amigos sempre vem à baila o sucesso de alguém. Bastou o indivíduo aparecer com um carro do ano, comprar um imóvel num bairro elegante ou uma casa de veraneio que o nome do cidadão aparece em todas as conversas de seus conhecidos, e as avaliações apressadas aparecem para rotulá-lo de esperto e sabido. Alguns vão mais adiante com afirmações "só pode estar roubando", fulano de tal "está rico", fulano de tal "é um marajá". Você não ouve ninguém dizer que o cidadão conseguiu aquele carro ou aquele apartamento trabalhando como um desgraçado, noite e dia, lutando atrás de um balcão, de um birô , tocando sua fazenda, sua banca de advocacia ou de consultoria. nada! Em nosso país o sucesso é sinônimo de falcatrua.
E,aí, o indivíduo passa a sofrer uma verdadeira caçada pelos colegas de trabalho,chefes e vizinhos. Sua vida transforma-se num inferno, enfrentando verdadeiras CPIs, exatamente no momento em que ele precisa e acreditava que ia desfrutar de um pouco de conforto e lazer. Os anos vividos, à esta altura já está quarentão ou cinquentão, não lhe garantiram a tranquilidade porque um grupelho de invejosos passa a olhar o cidadão com as vistas atravessadas. Aí surge uma série de dificuldades que lhe são antepostas e acusações insanas e gratuitas. Ele gasta grande parte de sua preciosa existência a se desvincilhar desses vampiros do sucesso alheio.
Os vampiros se multiplicam em todos os níveis. Têm estrutura própria e métodos de ação coordenados com o único objetivo de atrapalhar o sucesso. A frase de Jobim vem exatamente de encontro a estas observações que faço. Ele mesmo sofreu  muito com isto quando criaram uma falsa idéia de que estava milionário, e teve que sair do País para ganhar algum dinheiro nos Estados Unidos para garantir a sua sobrevivência. Os organizadores de espetáculos não o chamavam para a Tv e shows porque espalharam que ele estava milionário e, portanto, o seu cachê era altíssimo. Quer dizer, tiraram o Jobim do mercado.
Assim procedem aqui em Salvador os vampiros que alardeiam que vários profissionais liberais estão ricos, "cobram os tubos"por uma operação ou consulta, por um processo, por um quadro ou por um parecer. Enfim, atingem indiscriminadamente a todos que em suas atividades obtêm algum destaque.
Acho que é hora de trabalho. Digo, trabalho e mais trabalho. Só vence quem trabalha com dignidade. os que procuram os atalhos, sempre despencam nas armadilhas da vida. Os que vivem vampirando as ações dos outros ficam olhando o bonde passar e, no final da vida, vão amargar uma velhice de dificuldades. Esta é a resposta da vida para os que se incomodam com o sucesso alheio.
 Reynivaldo Brito é jornalista e sociólogo.

segunda-feira, 28 de maio de 2012

ARTES VISUAIS - EMÍDIO MAGALHÃES:NÃO EXISTE ARTE NOVA

ARTES VISUAIS
Texto Reynivaldo Brito

"Não existe arte moderna e antiga. Existe sim, a boa arte, feita com técnica e amor e aquela oura feita sem técnica.É por esta razão que muitas vezes fico triste quando vejo jovens sem talento tentando dedicarem-se à arte e outros que no início de seu trabalho artístico falam de fases . Acho que é uma pura demonstração de falta de disciplina.O artista deve ser humilde e acima de tudo voltado para o seu trabalho sem a preocupação com os modismos", esta é a opinião do professor Emidio Magalhães, ex-diretor da Escola de Belas Artes, regente de duas catédras e um dos mais festejados pintores baianos. A partir de amanhã,ele estará expondo 39 quadros na Galeria Canizares. na avenida
Araújo Pinho, no Canela.
Foto Emídio Magalhães em   sua residência em Itapagipe, com seus barcos.
Com 67 anos e muita vitalidade o professor Emídio Magalhães mostra sua humildade quando revela que só fez duas exposições individuais embora já tenha recebido vários prêmios.Em 1932 ganhou o Prêmio Caminhoá, prêmio esse de viagem à Europa, que infelizmente não conseguiu realizar. Em 1939, concorreu pela primeira vez no Salão Nacional de belas Artes sendo premiado com a Medalha de Bronze. Em 1943, novamente premiado no Salão nacional de Belas Artes com a medalha de Prata. Em 1945 e 1949, foi designado membro do júri pelo Conselho Nacional de Belas Artes. Em 1955 e 1956, foi membro do Júri do Salão Baiano de Artes Plásticas. Fora do Salão Nacional, obteve a medalha de prata no Salão Paulista, em 1957 e em 1963, a de ouro.

                                         DISCÍPULO DE PRESCILIANO
O ex- aluno do mestre  Presciliano Silva continua admirando o trabalho que acompanhou de perto. Foi com Presciliano Silva que iniciou realmente o seu trabalho de artista vindo a substituir-lhe quando o mestre aposentou-se. nesta época, residia em belo Horizonte, quando recebeu um chamado de Presciliano. O então aluno Emídio Magalhães não pestanejou. Arrumou as malas e passou a lecionar na Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia, até que em 1967, foi nomeado diretor.
Seus quadros que serão mostrados ao público na Galeria Canizares apresentam , a grande maioria,uma tonalidade escura verde ou azul.Os barcos são presenças constantes. Ele justifica a utilização da temática barcos e tenta explicar: "Veja que vista se descortina desta sacada", e aponta para o mar e as dezenas de barcos que pontilhavam a península itapagipana onde morava.
Na foto à esquerda uma paisagem pintada pelo mestre Emídio Magalhães.

CULTURA - GIL,SARAVÁ E CULTURA

Revista Manchete 15 de Setembro de 1979
Texto Reynivaldo Brito
Foto Carlos Santana

Ele estava todo de branco – afinal era sexta-feira, dia de Oxalá que representa o Senhor do Bonfim – quando foi empossado pelo Governador da Bahia, Antônio Carlos Magalhães, no Conselho de Cultura. Para decepção dos fãs e jornalistas, no entanto, outra presença informal no Conselho, Maria Bethânia, não compareceu à solenidade, alegando dificuldades em encontrar passagem aérea do Rio, onde se encontrava, para Salvador. Mas o cantor e compositor Gilberto Gil lá estava e disse que “o fato de estar num órgão público não me aborrece pois, apesar das diferenças naturais entre arte e política, sonhos e realidades, a gente vive espaços interpenetrantes onde está perto de tudo e esta relação não me impede de prestar serviços à comunidade em outras áreas.”





ESPORTE - CARROS SUBSTITUEM OS CAVALOS NA PISTA DO JÓQUEI

CIDADE DO SALVADOR
Jornal A Tarde 16 de dezembro de 1972.
Texto de Reynivaldo Brito
Fotos Louriel Barbosa

Salvador é uma das poucas capitais brasileiras que não possui um Jóquei em funcionamento. O que existe está com suas instalações praticamente abandonadas. Com a construção da Avenida Paralela os três grandes boxes onde funcionavam as cavalariças com capacidade para abrigar cada uma 20 cavalos tiveram que ser destruídas para dar lugar ao asfalto.Com isto criou-se um problema para os sócios do Jóquei amantes do turfe, que terminaram por abandoná-lo.
Na foto ao lado o trator trabalhando no início da construção do jóquei.
Durante algum tempo os sócios do Jóquei tentaram conseguir dos poderes públicos o asfaltamento da estrada que lhe dava acesso. Mas o tempo ia passando e as dificuldades em se alcançar o Jóquei - antes da construção da Paralela - já estava ocasionando o esvaziamento das tardes de turfe. As pessoas que antes frequentavam assiduamente foram sumindo. Quando chovia, alguns carros chegavam a atolar e no verão a poeira era insuportável. Foi quando veio a Avenida Paralela e o Jóquei foi prejudicado.


                                                       COMISSÃO

Uma comissão foi constituída entre sócios do Jóquei sob a presidência do advogado José Nogueira Júnior para juntamente com a então diretoria encontrar uma solução viável para o problema.Entendimentos com o Prefeito Clériston Andrade e com o Governador Antônio Carlos Magalhães já foram mantidos e outros ainda serão realizados, quando os amantes do turfe mostrarão a importância social e econômica deste esporte para a Bahia.
O nosso Jóquei já teve seus áureos tempos quando o cavalo " Grenado", ganhador do Grande Prêmio Brasil correu nas suas pistas empoeiradas. Vários cavalos de raça anglo-árabe foram adquiridos na Guanabara e em outros estados por baianos aficionados do turfe e arrecadados nada menos que Cr$22 mil cruzeiros , quantia considerada alta para aquela época.
Mas o problema foi iniciado porque a pista que deveria ser asfaltada ligado a Pituba ao Jóquei nunca foi concretizada. Até que veio a Avenida Paralela e acaba de aniquilar todo o trabalho que tinha sido realizado, jogando assim por terra o sonho dos baianos que gostam de turfe em ter um Hipódromo em boas condições de funcionamento.

                                                       FUNDAÇÃO

O advogado José Nogueira Júnior um dos aficionados do turfe na Bahia diz que "o Jóquei foi fundado por um grupo de amantes do turfe, entre eles Luís Tarquínio Pontes, José Macedo de Aguiar Neto ( falecidos) , Miguel Vita, José Pinheiro Cunha, Manoel Tanajura, Geraldo Góes e outros, que não me recordo agora. A primeira reunião foi realizada no clube Bahiano de Tênis e dentro de pouco tempo já contávamos com quase uma centena de sócios. As ações foram vendidas por Cr$50 cruzeiros cada. Com este dinheiro procurou-se uma área capaz de servir à construção do Hipódromo.
Hoje, o terreno antes ocupado pelas cavalariças e cavalos serve para a prática de babas e encontros de casais (foto acima)
Lembro-me que foi necessário sobrevoar todas as áreas localizadas no perímetro de Salvador até que optamos por essa na Avenida Paralela. Entramos em contato com o proprietário da mesma que era o sr. José Torres Brandão que terminou por doá-la ao clube".
" O engenheiro Edir Dávila, construtor dos hipódromos de Tarumã, em Curitiba e Cristal, em Porto Alegre e que tem uma vasta experiência no setor foi contratado para efetuar o projeto. A área media cerca de 795 mil metros quadrados e coube ao engenheiro baiano Geraldo Góes acompanhar os serviços de terraplanagem para a construção do Jóquei.Assim o clube aumentava seu quadro social e angariava prestígio pouco a pouco".

                                                     AS CORRIDAS

E continua " Basta dizer que em pouco tempo já realizávamos quase todos os domingos boas corridas. Numa delas, num domingo de sol, ocasião em que jogavam os dois maiores clubes de futebol de Salvador, o Bahia e o Vitória, na Fonte Nova, conseguimos ainda arrecadar Cr$22 mil cruzeiros com a venda de ingressos".
" O grave problema existente naquela época era o péssimo estado de conservação da via que ligava o Jóquei à Pituba, que era de barro batido e quando fazia sol a poeira era insuportável e no inverno, os carros atolavam. Com isto o público foi se retraindo ao ponto de o Hipódromo encerrar suas atividades de pista. Procuramos por todas as maneiras possíveis asfaltar àquela via mas sempre nos prometiam e não executavam a obra, até que veio a construção da Paralela..."
Ao lado a foto de um puro sangue como este em breve poderá correr no Jóquei Clube da Bahia,se o movimento de recuperação do Hipódromo for avante.

                                                               DIFÍCIL

As esperanças não morreram.É como diz o dito popular que a "esperança é a última que morre". O terreno do Jóquei que foi doado, está muito valorizado com a construção das avenidas e uma solução poderá ser tomada pelos sócios será a venda do terreno e a compra de outro com uma área maior, que ofereça condições de ampliação do Hipódromo inclusive com a realização de obras de infra estrutura, a fim de que dentro de pouco tempo o novo hipódromo venha a funcionar. Esta solução poderá ser tomada tendo em vista que o atual terreno do Jóquei não oferece as condições necessárias ao seu funcionamento, mesmo porque o terreno foi cortado com a construção da Avenida Paralela.
A comissão que foi constituída há algum tempo não foi dissolvida e espera-se que os seus integrantes, srs. Geraldo Góes, Asdrúbal Brandão, Nilton Calmon e José Nogueira Júnior encontrem uma solução viável porque Salvador, como uma metrópole não pode ficar sem um Hipódromo.
Esta comissão foi constituída para trabalhar juntamente com a diretoria do clube junto às autoridades municipais e estaduais e algumas providências já foram tomadas.
Alguns adeptos do turfe acham que o atual terreno serve para o funcionamento de um Hipódromo. Basta que sejam realizadas algumas obras, pois asseguram, que as pistas estão em condições razoáveis. Para esses é preciso a construção de três boxes para as cavalariças.
O que todos desejam é que o Jóquei funcione porque ele representará mais uma atração turística para Salvador e também uma grande fonte de renda para o Poder Público, além do turfe ser um esporte fascinante.

Hoje torna-se até difícil imaginar que naquele ano o Jóquei ficava onde hoje está o Shopping Salvador e os prédios construídos no seu entorno.